Skip to content

Lisandro Gaertner Posts

Alô, Cláudia Cruz, a história te chama

Toda vez que vejo a Cláudia Cruz lembro como a história é frágil. No início dos anos 90, um amigo meu morava só com os irmãos depois de um acordo/divórcio complicado com os pais. Ele era o único menor de idade, mas o restante não era muito mais velho que ele. As idades rodavam em torno de vinte e poucos anos e apenas dois eram formados e trabalhavam. Era uma espécie de república/núcleo familiar de sitcom no qual fico muito feliz de ter feito participações especiais. Se tivesse escrito sobre isso na época, podia ter criado o Friends. Cada irmão,…

O Pula Pula da Corrupção

Imagino que a corrupção aconteça assim: naturalmente. Tava olhando a minha filha no Pula Pula quando uma mulher parou do meu lado. – Oi, tudo bem? Tem mais alguém na fila? Depois da sua filha? Tem? O meu filho pode entrar depois? – apontou prum menino com cara de bobo que puxava pelo braço. – Será que tem alguém depois da sua filha? Tem? – Acho que não. Melhor perguntar pro cara do Pula Pula. – Cadê ele? Onde está o cara? Você sabe? O do Pula Pula? Sabe? – Acho que está ali, ó. Lá foi ela. Desenrolou com…

O aniversário de “de Jesus”

Pai, hoje, se estivesse vivo, você completaria 92 anos. Ou 93. Ou 91, dependendo de quem contasse a história. Para alguns, você teria dito que, quando seus pais lhe deixaram órfão com menos de 10 anos, para que entrasse no colégio militar como interno era importante parecer mais novo. Ou mais velho. Ninguém chegava a uma conclusão. Quando pressionado, você sempre dizia: “Faz tanto tempo que eu nem me lembro mais. Usa o que estiver na certidão”. Então, 92. O mesmo valia para a sua data de nascimento. Uns diziam que era 24, outros 25. Até nesse ponto, você também…

A traição do eleitor

Meu pai tinha um companheiro de FEB que de 4 em 4 anos se candidatava a vereador. Como um relógio, três meses antes da eleição municipal, lá vinha ele bater na nossa casa. Carregando um pacote de santinhos, ele fazia a longa jornada de Deodoro ao Flamengo sobre as próteses e as muletas que sustentavam seu corpo desde que perdera as duas pernas na Segunda Guerra. Seu slogan sempre mudava, mas nunca saía da linha: “Ele lutou por nós e vai continuar a lutar.”. Se vontade contasse, ele seria o vereador mais votado do Rio de Janeiro. Com a sua…

Tá tudo bem

No meio da reunião, a mãe que trabalha, e não trabalham todas?, atende o telefone: – Que é filha? Tô no meio de uma reunião. É urgente? Tá tudo bem? – Sim, sim, mãe. É urgente, mas, como você disse, tá tudo bem. – Se tá tudo bem, por que você está me ligando? – É o seguinte: o vovô foi dar uma volta na rua e foi atropelado, mas tá tudo bem. – Como assim, seu avô foi atropelado e tá tudo bem? – Calma, mãe, tá tudo bem. Ele foi atropelado mas foi de leve. Uma kombi tava…

Como eu larguei o futebol (e você também pode, mas não precisa)

Olá, meu nome é Lisandro Gaertner e eu já torci pra time de futebol. Sério. Quem já me viu nos esporádicos encontros para assistir aos jogos da Copa do Mundo, enfurnado na cozinha comendo, bebendo e falando de assuntos aleatórios, enquanto o povo torce na sala, pode até não acreditar, mas, sim, eu já fui um torcedor. Comecei a torcer, como a maioria, por influência do meu pai. Tinha uns 4 anos quando ele me deu uma camisa do Internacional. Meu pai, como todo bom gaúcho exilado, sentia prazer em não torcer para os times do Rio, apesar de secretamente…