Ir ao conteúdo

Mês: fevereiro 2021

A independência da São Salvador

Bom, já passou da hora, mas ainda é tempo. Por meio desse post, nesse blog que quase ninguém lê, proclamo a independência da República Socialista da São Salvador e adjacências. Caramba, foi mais fácil do que eu imaginava. E não precisou de cavalo nem de espada. Pronto, estamos fora do Brasil. Sem Bolsonaro e sua familícia. E sem um outro bando de desafetos e almas sebosas que nem vale mencionar. Prontos pra começar, quase do…

O crepúsculo dos deuses auto irônicos

Com dez anos de atraso, comecei a ler a “nova” série de quadrinhos do Gavião Arqueiro. Confesso, mais pela arte do David Aja do que por qualquer outra coisa. Não me arrependi. Pela arte, pelo ritmo e pela diagramação. Pela história… aí já é, bem, outra história. Desde o final dos anos 90, após o massacre cognitivo, estético e moral da Image, começou um movimento brabo dos quadrinhos mainstream se tornarem autorreferenciais. Se os heróis…

Uma detox (quase) radical

De tempos em tempos, me pego fazendo O Caminho do Artista, um programa de 12 semanas de detox criativa. Ao invés de considerar que estaria salvo depois de ter feito apenas uma vez, desde 2009, eu repito de quando em quando a jornada pra dar uma limpeza nos meus dutos artísticos e confrontar minhas inúmeras e persistentes resistências. Aí repito, sem pudor, os exercícios semanais, sempre com outro olhar e em outro contexto, aproveitando pra…

3 de fevereiro e a angústia das marmotas

Ontem, como boa parte da humanidade, comemorei o dia do santo secular mais popular dos últimos tempos: Phil Connors, protetor do entediados e mártir do dia da Marmota. Desde que O Feitiço do Tempo, estrelado por Bill Murray, foi lançado em 1993, o 2 de fevereiro virou sinônimo de repetição, rotina, marasmo e da esperança de vencê-los. Um problema mais contemporâneo do que picadas de cobras e outros bichos peçonhentos. Porém, ao assistir o filme…