Ir ao conteúdo

Mês: setembro 2021

Um gigante de visão

Conheci Marcelo Lachter no dia em que, num momento de desespero, resolvi vender minha biblioteca para pagar uma conta de telefone exorbitante que não era minha culpa. Ele foi à minha casa, comprou meus livros, me deu bons conselhos e 9 meses depois me fez uma proposta que mudou a minha vida: “Quer ser sócio numa livraria?” Aceitei, sem pensar duas vezes. Me tornei seu sócio na Baratos da Ribeiro, que, para mim, durou apenas…

Smart City Gulliver

Ele gostava de se considerar um sujeito normal, e até seria, não fosse a sua altura. Quando chegava em qualquer ambiente, sempre tímido e discreto, imediatamente se destacava: era maior que os outros; muito maior que os outros. Em todos os sentidos. Com pequenos abalos sísmicos, seus passos, mesmo de chinelos, denunciavam a sua entrada; sua cabeça e seus pensamentos, bem mais elevados que os nossos, quase chegavam às nuvens; e suas palavras iniciais, vindas…

Labirintos e labirintos

Sou um colecionador de técnicas criativas e, nessa busca incessante por novas ferramentas e experiências, ontem comecei a fazer a oficina gratuita da Sheyla Smanioto, O Caderno como um Jardim. Não consegui assistir a aula ao vivo, nem antes de dormir, para fazer o exercício proposto, mas hoje de manhã rolou. Na primeira aula, Sheyla trouxe a ideia do labirinto como uma metáfora para a encontrar uma saída dos bloqueios criativos e dos vieses inconscientes…

Revisitando Hogwarts

Graças à Alícia, estou assistindo em ordem e religiosamente aos Harry Potter. Lembro de ter lido o primeiro livro em 2001 e achado legal, mas nada de espetacular. Na época, inclusive, a minha impressão foi que até Os Olhos do Dragão do Stephen King, uma fantasia Young Adult bem rasteira, tinha me parecido mais imaginativo. Porém, passada toda a loucura midiática e com a perspectiva da série inteira, consigo ver alguns pontos positivos bem interessantes…

O DJ Fascista versus o Povo Brasileiro

7 de setembro de 2021 9:57 AM No bloco C do Edifício JK, de um apartamento não identificado, começa a tocar, num volume acima do esperado, o hino nacional. Dada a atual situação política, os demais condôminos ficam incomodados. Mas não fazem nada. 10:08 AM Depois de 2 versões remix do hino nacional e de uma versão à capela do hino da bandeira, Matilde Rocha, professora de Yoga sexagenária, decide se manifestar: – Desliga essa…

Patriotite

Imagino que o patriotismo, como o apêndice, já pode ter tido uma função. Numa época mais primitiva, quando os recursos eram escassos, e as pessoas viviam com medo constante, prontas a matar seus vizinhos por qualquer coisa, o patriotismo devia funcionar como uma ferramenta de coesão grupal. – Por que eu não posso matar o meu vizinho, mesmo? – Ué, ele é seu compatriota. Vocês são da mesma pátria. – Tá bom. E por que…