Ir ao conteúdo

Mês: dezembro 2021

Como ser meu amigo

Meu amigo mais antigo, quando me conheceu, veio falar comigo só para me espezinhar. Acompanhado por um grupinho de arruaceiros de 4 anos, no meu primeiro dia de aula em um colégio novo, me perguntou ironicamente por que eu estava usando saia. – Não é saia, é bermuda, seu idiota- esclareci gentilmente. Pouco tempo depois, não me lembro como, nos tornamos amigos, mas continuamos a brigar e a competir. Nos apaixonamos pela mesma menina na…

Um verdadeiro herói brasileiro

No início dos anos 40, meu pai tinha seus 20 e poucos anos e era um sujeito meio promíscuo. Tinha, entre vários costumes abjetos, o hábito de frequentar uns lugares chamados “dancings”, onde homens solteiros pagavam para dançar com mulheres desconhecidas. Funcionava mais ou menos assim: o cara chegava e escolhia uma mulher numa fila; dançava com ela e marcava num cartãozinho quantas músicas dançaram; e no final ele acertava o custo das danças na…

1991/2021

natal. feliz? tensão. medo. angústia. antecipação. gorbachev. pronunciamento. surpresa. acabou. acabou. acabou. viva. a paz. 30 anos depois. tudo velho. de novo. violência. ódio. destruição. crises. enchentes. vulcões. secas. furacões. doenças. fomes. múltiplas. guerras. opressão. tragédias reais. mentiras vazias. na velocidade da luz. ignorância. obscurantismo. negacionismo. orgulho. de ser idiota. a terra aplainou. a burrice pesa. nos achatou. e chateou. era tudo mais simples. quando a nossa extinção não era nossa culpa. quando era a…

O belo ritual do primeiro filme ruim das férias

Acabei de assistir ao ganhador do Oscar de pior comédia pseudo-romântica com o maior número de clichês mal utilizados por minuto: galã australiano com emprego exótico e sem sentido; tia cougar de meia idade devoradora de homens, mas solitária; casal de jovens bonitos que fazem acordo para ter relacionamento sem emoção, que todo mundo sabe que não vai funcionar; mãe viúva, casamenteira e sarcástica, mas sábia, que arruma um novo marido aleatório no fim do…

Às praias

Na minha infância, qualquer água era mar. Até a da praia do Flamengo. Não tinha esse troço de praia imprópria, só praia arriscada. Acho que já vi até gente tomando banho na praia de Botafogo, mas pode ser viagem. Memórias fabricadas. Mas da praia do Flamengo, eu lembro. Na praia do Flamengo, eu ia. Pequeno, mas cheio de empáfia e audácia, eu me aventurava como um explorador em busca das sereias que quase seduziram Ulisses,…

O escritor está gripado

Com todas as desculpas a Gay Talese. Se enganam aqueles que imaginam que são os atores que são dramáticos. Não, dramáticos são os escritores. Os atores são tespianos. Os atores, com base num drama já concebido, interpretam e maximizam as emoções pedidas por ele e as expressam em gestos e palavras, silêncios e omissões. Os escritores, dramáticos como são, imaginam e criam esses dramas. A eles cabe o pior quinhão desse processo: conceber o indizível.…